ESTAMPA QUE DIZ

amapo

(Meu texto para o jornalzinho-release-estampa do inverno 2010 da Amapô. Meu tema, pedido por elas, era adolescência)

 

Um Pedaço

Foi quando comecei a me apaixonar pela moda. Me encantei perdidamente por um tom de roxo vivo, o roxo cardeal; por uma regata fluo da Fit; e por uma calça estampada de xadrez vichy que eu usava quase diariamente, para desespero da minha mãe, que achava que mais parecia fantasia de palhaço. Era da Zapping. Foi quando descobri que havia uma colunista de moda e noite na Folha de S.Paulo; que a madrasta de um grande amigo trabalhava na Zoomp; que tinha um estilista brasileiro entrando na Lanvin. Quando usei o primeiro sutiã, tomei o primeiro porre, dei o primeiro beijo, fumei o primeiro cigarro. E nunca mais fumei outro. Quando entrei para uma nova escola, fiz novas amigas, descobri novos mundos, entendi novas ideias. Adorei. Briguei muito com minha mãe, tentei entender meu pai, fiquei encantada com meus irmãos. Virei eu mesma, feita de um pouco de cada um deles. Deixei os cabelos crescerem para sempre e cuidei deles diariamente. Comprei um secador de cabelos, depois um rímel, então um delineador, alguns batons, vários perfumes. Montei uma necessaire, enchi algumas gavetas, depois um banheiro inteiro. Quando pintei os móveis do quarto com o tal roxo cardeal, desenhei uma moldura no espelho da luz e pendurei um mural na parede. Alfinetei muitas, muitas fotos nele. Comprei uma bota de salto igual à da minha irmã, ouvi discos do meu irmão, fiquei com alguns amigos dos dois – me apaixonei e namorei com um deles. Primeiro amor. Dancei forró em Itaúnas, Caraíva, Itacaré, e em um galpão no largo da batata. Tomei muita cerveja quente em copo de plástico na Vila Madalena. Sujinho, Tombaqui, Tihuana. Peguei o Lapa C, o Vila Mariana, o Pinheiros. E uns táxis, quando a preguiça era grande. Fiz uma tatuagem, depois outra. Mais uma. Pintei os cabelos de roxo, coloquei um piercing na boca, ouvi uma música chamada trance e fui morar em Londres, estudar a moda, aquela grande paixão. Quando voltei, era uma mulher feita. Feita pela vida inteira e por uma adolescência muito bem vivida.

(foto: agência fotosite)

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

COBERTURA DA TEMPORADA NA FTV BRASIL

Post a jato para avisar: têm materinhas de Fashion Rio e SPFW entrando no ar de hora em hora na FTV Brasil. Mais: aqui em São Paulo, nosso time tá reforçado pelos repórteres mais que especiais Fernanda Tavares e Lucas, do Fresno. Além deles, como não poderia deixar de ser, temos Barbara Thomaz, Carla Fiorito, Carla Lamarca e eu, com os boletins do dia e muito mais.

Vai lá!

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

IMPRESSÕES DO RIO

Voltei! Passagem rápida, para dar meu parecer sobre o Fashion Rio. E a coisa é boa! Estação de desfiles fortes, como há tempos não se via por lá. Na passarela, reinou a opulência. Muita exuberância, muita mistura de estampas, materiais, uma profusão de brilhos e mais brilhos (tem lurex, paetês, glitter e até couro metalizado). Minha cobertura completa, com meu TOP 5 de desfiles, entre outras muitas coisas, vocês verão no ESPECIAL SEMANAS DE MODA INVERNO 2010 FASHION RIO, na FTV BRASIL.

E, enquanto ele não sai do forno, vão aqui alguns dos meus looks favoritos na temporada (não em ordem de preferência):

Utilitarismo para já da Redley

Utilitarismo para já da Redley

Sapato com coleira da New Order

Sapato com coleira da New Order

Casulo tricô de Lucas Nascimento

Casulo tricô de Lucas Nascimento

Militarismo fetiche da Ju Jabour

Militarismo fetiche da Ju Jabour

Maximix de texturas da Giulia Borges

Maximix de texturas da Giulia Borges

O circo brilhante da Coven

O circo brilhante da Coven

Todas as cores da Cantão

Todas as cores da Cantão

Feminilidade madura na estreia (meio retorno, eu diria) da Andrea Marques

Feminilidade madura na estreia (meio retorno, eu diria) da Andrea Marques

Mix de texturas da Têca

Mix de texturas da Têca

Carpintaria no vestido de Melk Z-Da

O vestido carpintaria de Melk Z-Da

Não disse que tava forte?

(fotos: agência fotosite)

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

PARA VERA E OUTROS LEITORES QUE SENTEM MINHA AUSÊNCIA

Recebi este comentário recentemente:

“Peço desculpa mas vou retirar o seu blog dos meus favoritos. Sou apaixonada por moda e sigo diariamente cerca de 20 blogs de moda (it girls, sanduiche de algodão, daslu, hoje vou assim, garotas modernas, pelas ruas, etc). Apesar de ser portuguesa adoro os blogs brasileiros mas sinceramente perdi a paciência………um blog que é actualizado de 15 em 15 dias (na melhor das hipóteses) não vale a pena seguir. Compreendo que deve ter a sua profissão mas as suas colegas blogueiras também têm e nem por isso deixan de actualizá-lo. Quando se cria um blog tem que se ter um nível minímo de compromisso, quanto mais não seja por uma questão de respeito pelos leitores.
Qualquer das maneiras desejo-lhe boa sorte.

Vera”

Cara Vera (e todos os outros leitores que se sentirem representados com o texto acima),

Peço desculpas. Realmente a vida está corrida, bem mais do que sempre esteve, e tem sido muito difícil atualizar este blog com a frequencia que gostaria – e que já tive um dia. E isso me incomoda muito. A ponto de, desde que percebi que não conseguiria manter o ritmo, ter pensado algumas vezes em tirá-lo do ar, mas confesso que não tenho coragem. Primeiro porque aqui tem (já) mais de dois anos de textos meus (alguns atemporais, válidos até hoje, outros que funcionam como retratos de suas épocas). Depois porque acredito que, mesmo de pouqinho em pouquinho, de tempos em tempos, é bom que eu tenha um espaço no qual possa postar ideias, notícias, pensamentos. Não consigo, infelizmente, fazer umpost por dia, como já fiz um dia. Mas posso, por exemplo, dar a notícia de um programa legal que vai entrar ao ar na FTV, minhas impressões sobre os desfiles internacionais, ou apenas dizer o quanto me emocionei com um deles.

Enfim, como leitora de outros blogs, entendo completamente sua reclamação. E digo, um pouco desapontada (bem mais que você, acredite), que, pelo menos por enquanto, o ritmo será mesmo este. Masss…. se quiser voltar de tempos em tempos para ver o que há, será mais que benvinda! Estou meio lentinha com posts, mas o Prataporter continua vivo!

Bjbj,

MP

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

ESPECIAIS SEMANAS DE MODA VERÃO 2010 LONDRES E PARIS

londoncabe

Ontem entrou no ar o Especial Semanas de Moda Verão 2010 – Londres. A FTV Brasil foi o único veículo oficialmente convidado pelo British Counsulate para cobrir os 25 anos do evento londrino e fizemos um programa que mostra o porquê  de Londres ser considerada o maior celeiro de talentos fashion do mundo. Tem muita moda na passarela, de estilistas consagrados (Vivienne Westwood e Burberry entre eles) e novos (Chistopher Kane, Louise Goldin, por exemplo). E mais muita moda de rua, porque afinal, a montação rola solta por lá (olha o Boy George aqui embaixo!)!

london boy

 

parisponte

E terça-feira que vem tem o Especial de Paris! Nesse, entrevistas com Jean Paul Gaultier e Pierre Hardy (amo), Hussein Chalayan, Manish Arora, Dai Fujiwara (Issey Myiake). Desfiles de todos eles mais  Dior, Hermés, Chanel, McQueen, entre outros! E mais um monte dematerinha boa. Uma que eu adoro é a que passamos uma tarde com Pedro Lourenço na cidade. Nosso prodígio tá morando lá e me mostrou ligares incríveis que frequenta (tipo uma tradicionalíssima loja e animais empalhados!

parispedro

QUER VER?

Quem perdeu Londres pode ver reprises quinta, dia 5, às 18h, sexta, dia 6, as 23h30, e domingo, dia 8, às 21h30

O de Paris vai ao ar na terça, dia 10, às 22h, com reprises na quinta, dia 12, às 18h, sexta, dia 13, às 23h3o, e domingo, dia 15, às 21h30

Depois conta o que achou!

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

RACHEL ZOE VOLTA JÁ!

zoe

Gente, tá todo mundo perguntando por que a Rachel Zoe saiu do ar. É porque a primeira temporada tinha só seis capítulos. A segunda, maiorzita, entra no ar no dia 5 de dezembro só.

GUENTEM FIRME!

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

O ataque das celebs

 

lily_allen_chanel

Modelos em baixa, celebridades em alta! Famosas roubam a vez das tops nas principais campanhas internacionais e comprovam: a palavra supermodel já não faz muito sentido na moda (texto publicado na Vogue de outubro)

 Madonna aparece com ares de diva, vestindo top vinho de mangas bufantes, carregando nos braços uma bolsa monogramada, tudo Louis Vuitton. Com o jeito de moleque que é sua marca registrada, Lilly Allen posa com saia de cintura alta, casaqueto preto e bolsa acolchoada da linha Coco Cocoon, num total look elegantérrimo – e ainda assim jovial – da Chanel. Marion Cotillard, a atriz francesa que Hollywood adora, é flagrada no downtown Manhattan com bolsa Lady Dior. Legenda de looks de famosas flagradas por paparazzi? Nada disso. As descrições acima são apenas alguns exemplos de campanhas de marcas poderosas, que nesta estação substituíram as tops queridinhas das passarelas por celebridades amadas pelas massas. A lista inclui também Victoria Beckham para a Emporio Armani, a ex-Harry Potter Emma Watson para a Burberry, Scarlett Johansson para a Mango. E ainda rostos menos conhecidos, mas com “DNA celebrity”, como o da atriz Mamie Gummer, filha de Meryl Streep, que estrela a campanha da marca francesa Gerard Darel. Ou Alexandra e Theodora Richards, filhas do Stone Keith, garotas-propaganda da French Connection. Aqui no Brasil, Juliana Paes e Grazi Massafera são as prediletas das grifes, a primeira fazendo um jogo lesbian chic com Cleo Pires em fotos para a Arezzo.

Atriz estampar campanha de moda não é lá grande novidade. Vira e mexe, grifes globais apostam numa celebridade para fazer barulho. Mas nada se compara à invasão total que se vê nesta temporada. “É um tempo difícil para as modelos”, explicou Marc Jacobs para Suzy Menkes em recente matéria sobre esse assunto no International Herald Tribune. “O conceito das supermodels apareceu numa época em que as atrizes não eram tão interessantes. Hoje em dia Hollywood está recheada de rostos jovens. E agora existe a tecnologia digital para fazê-las ainda mais bonitas”, detecta ele, que sempre apostou em amigos famosos para as campanhas da sua Marc Jacobs e agora conta com Madonna pela segunda vez consecutiva como rosto da Vuitton.

Além das fashionistas de Hollywood, as tops de hoje enfrentam outra competição cruel: a das it-girls, meninas bem-nascidas que viram ícones fashion pela atitude e pelo guarda-roupa poderoso, que inspiram mais confiança no público que uma simples modelo. Elas costumam sentar nas primeiras filas dos desfiles de seus estilistas favoritos, vestidas dos pés à cabeça com roupas deles e, vez ou outra, terminam aceitando dar uma de modelo diletante. A grife italiana Tod’s foi das primeiras a perceberem que as it-girls tinham credibilidade fashion maior do que modelos e, neste inverno, decidiu fazer toda a campanha com meninas quase desconhecidas, todas estilosíssimas, donas de alguns dos sobrenomes mais potentes da Itália.

Escolher como garota-propaganda mulheres com as quais a grife e suas clientes se identificam parece ser mesmo a nova regra. Veja por exemplo a inglesa Emma Watson, que cresceu na vida real ao mesmo tempo em que seu personagem nas telas, a jovem Hermione, de Harry Potter, e recentemente tem aparecido em listas de mais bem-vestidas mundo afora. Bingo – o título lhe rendeu um convite de Christopher Bailey para ser a estrela da “oh, so British” Burberry. Esse posto, aliás, já foi da modelo e it-girl Agyness Deyn, única top de sua geração que tem feito sucesso exatamente por mesclar esses dois universos e se tornar, como a moda precisa, referência de estilo.

“Para as modelos terem a mesma força comercial das estrelas de Hollywood, elas têm de viver um cotidiano glamoroso e público”, decreta Anna Wintour. A questão é que, como são recrutadas cada vez mais cedo, as modelos que hoje fazem sucesso nas passarelas não levam essa vida glamorosa a que Wintour se refere – muitas nem sequer têm idade legal para frequentar bares e afins e, quando são fotografadas em festas, ninguém presta muita atenção, já que não dão a impressão de estarem se divertindo horrores, como ainda faz Kate Moss e como faziam Linda, Naomi e Cindy no auge da era das supermodels, na virada dos anos 80 para os 90. De tão conhecidas, elas dispensavam sobrenomes e, num processo inverso ao que está acontecendo agora, “roubavam” espaço das atrizes de Hollywood, assumindo o papel da celebridade que todo mundo deseja ser – para refrescar a memória, pense no clipe Freedom, de George Michael, de 1990, com todas elas na tela.

Cada uma tinha seu próprio estilo, não serviam apenas de cabide na passarela. “Eu costumava desenhar roupas individualmente para cada modelo, considerando tanto sua personalidade quanto suas necessidades e desejos”, recorda Thierry Mugler em entrevista a esta Vogue. Para ele – que desde que se desfez de sua grife, no fim dos 90, se dedica à direção de musicais –, esse processo deixou de existir na moda atual. “Enquanto as modelos não virarem celebridades de novo, não as vejo vendendo tantas capas de revista quanto as atrizes”, completa Anna Wintour, que costuma estampar famosa atrás de famosa nas capas da Vogue americana.

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

CHOREI COM MANISH ARORA

Desfile impactante, no palco da Crazy Horse, casa de strip finíssima daqui, com direito a coreografia de modelas e tudo. Incrível, virei fã.

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

FTV NO PRÊMIO MODA BRASIL!!!!

POST A JATO, ANTES DE CORRER PARA O AEROPORTO, PARA DIZER, EMOCIONADA, QUE ESTAMOS INDICADOS COM DOIS PROGRAMAS DE TV: NOMES DA MODA E MINHA ENTREVISTA COM MARC JACOBS.

MTO FELIZ!!!!

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print

LONDON LONDON

Eu já descobri porque é que o twitter é um suesso. Porque facilita a vida de pessoas como eu, coitada, que quero escrever, comunicar, mas não consigo tempo nem pra tomar água! Faço então um resumão da viagem à Londres, de onde fiquei devendo um cobertura mais intensa. Nem tão rápido quanto twitter, nem tão completo quanto gostaria. Mas vamos lá.

lfwburberry

A versão delicada da Burberry na russa Ranya Mordanova, rosto do momento

Londres completou 25 anos e, para celebrar, convidou algumas marcas a voltarem a desfilar na cidade. Burberry, Jonathan Saunders e a half mineira Clements Ribeiro foram algumas delas. Isso tudo deixou a Fashion Week mais viva, foi gostoso de ver o movimento e estar lá nessa hora especial. Mas não acho que Londres tenha que se preocupar tanto em ser “grande”, em ter marcas importantes. A London Fashion Week precisa, isso sim, é assumir que é um celeiro de novos talentos, e ficar feliz com essa posição – qual outro país do mundo desova tantos criativos, ano após ano, há tanto tempo? Nenhum.

lfwkane

O xadrez de Christopher Kane (atenção editoras de beleza: esse cabelito é tendência!!)

A maior delícia da semana de moda londrina é entrar em um desfile sem ter ideia do que vai ver, sem nunca ter ouvido falar no estilista, e deixar a sala desacreditada de tão incrível foi o que viu. Não é à toa que “London Fashion Week” é apenas o nome “oficial” da coisa. Paralelo a ela, acontecem inúmeros eventos dedicados a novos talentos. Tem a New Gen, patrocinada pela TopShop (Christopher Kane e Louise Goldin estão aqui); tem o On/Off, que também vende atacado e teve até pop up no SoHo; tem o Fashion Fringe, o Fashion East, o Vauxhall Fashion Scout… enfim, a cidade é uma grande vitrine para novos nomes. (I miss HotSpot).

lfwluella

Luella, sempre girlie.

Mais? fora das passarelas, a cena é deliciosa também. Morei um ano e meio em Londres, quando estudava no London College of Fashion. Estava mais que habituada, vocês podem imaginar, a ver as figuras mais montadas do planeta, fosse na sala de aula, fosse nos clubs, nas raves (é, eu ia). Mas nada, nada se compara ao que está acontecendo agora na cidade. A montação nas ruas é absurda. Um look mais inacreditável que outro. Gravamos dezenas para nosso especial da FTV, mas a quantidade era tanta que deixamos passar centenas, milhares. Da cabeça aos pés, literalmente (dá-lhe mega-aranjos e sapatos-esculturais).

lfwclementsO quero tudo da Clements Ribeiro. As sandálias foram na minha mala!

Melhores momentos? Louise Goldin, como disse abaixo, e sua suave e fortíssima coleção; a brincadeira da Luella; Chrsitopher Kane e o início de uma visão mais comercial de seu trabalho; Jonathan Saunders e sua cartela de cores linda de morrer; a delicadeza altamente desejável da Clements Ribeiro; e, claro, a Burberry de volta à Londres. Dessa última, gostei de ver a coleção, menos hard que as anteriores, e também o espetáculo (Victoria Beckham, Liv Tyler, Emma Wastson, irmãs Olsen… foi um frisson que há muitos anos Londres não via).

Enfim, já estou de volta de Londres e, enquanto rola Milão, deixo tudo pronto aqui no Brasil para nossa ida à Paris, a primeira da Fashion TV Brasil por lá. Frio na barriga!

Compartilhar:
  • Twitter
  • Facebook
  • StumbleUpon
  • Tumblr
  • del.icio.us
  • LinkedIn
  • MySpace
  • Netvibes
  • Technorati
  • Print